] SER / Notícias

Portal do Cadastro de Contribuintes     
,

Receita

» Principal
» Secretário
» Hierarquia Organizacional
» Coletorias Estaduais
» Conselho Rec. Fiscais
» Corregedoria Fiscal
» ESAT
» Gerências Regionais
» Postos Fiscais
» Recebedorias de Renda
» Fale Conosco
» Denúncia

Serviços

» Portal Serviços On-line
» AIDF-Informações
» ATF - Acesso
» Cadastro de Usuários
» Cad. de Contribuintes
» Cadastro - EC 87/2015
» Certid. Dados Cadastrais
» Consulta Cadastro PB
» Consulta Selo - Água Mineral
» Cons. Geral Processos
» Consultar/Validar FIC
» Credenciamento NF-e
» Educação Fiscal
» Emissão do DAR
» Emissor Cupom Fiscal
» Emitir Certid.de Débito
» Emitir FIC
» FAC Eletrônica
» GNRE
» IPVA
» ITCD
» Legislação
» Orientação Fiscal
» PED - Proc.Eletr.Dados
» Portal CT-e
» Portal MDF-e
» Portal NF-e
» Portal NFC-e
» Postos de Combustíveis
» Protocolo 21/2011 – CONFAZ
» Regularidade N.F.Avulsa
» ROP
» Simples Nacional
» SPED Fiscal
» Termo de Trânsito
» Validar Certidão Débito

Declarações

» GIA-ST
» GIM
» GIVA
» SINTEGRA

Índices e Tabelas

» Ato COTEPE /MVA
» Ato COTEPE / PMPF
» Cota Parte ICMS
» Distribuição da Arrecadação ICMS
» IGP-DI/IPCA/SELIC
» Índice Partic. Municípios
» Pauta Fiscal Fretes
» Pauta Fiscal Produtos
» Prev.Rec.Municipais
» Produtos Subst.Tribut.
» Tabela de Municípios
» Tabela de Receitas
» UFR-PB

Editais e Informes

» Editais
» Cheque Moradia
» Links
» REFIS/PB
 

RECEITA » EDITAIS E INFORMES » NOTÍCIAS



      


Estado da Paraíba deve receber 40% do ICMS de destino
da 'PEC do comércio eletrônico' em 2016

 

Com a promulgação pelo Senado da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 197/12), mais conhecida como 'PEC do Comércio Eletrônico', o Estado da Paraíba deverá receber 40% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que é cobrado sobre as mercadorias e serviços vendidos à distância (pela internet ou por telefone) a partir de 2016, quando a partilha do tributo será, na prática, efetivada.

Antes da mudança, a arrecadação do ICMS das vendas não presenciais ficava concentrada apenas no Estado de origem, sobretudo em São Paulo, enquanto o Estado de destino como, por exemplo, a Paraíba fazia a transferência de renda dos consumidores por meio das compras online sem qualquer participação do bolo da receita do tributo. 

Na regra geral do cronograma estabelecida pela proposta, o ICMS do destino das chamadas vendas não presenciais será gradual em cinco anos (2015 a 2019), sendo repassados 20% do ICMS do destino a cada ano até completar os 100% que os Estados do destino têm direito do tributo. Como a PEC foi promulgada este ano e a partilha somente começará em 2016, o Estado da Paraíba e as demais unidades da federação terão direito a 40% do ICMS do destino das vendas online em vez apenas de 20% no próximo ano.

“A partilha será acrescentada no próximo ano de mais 20% do ICMS das vendas não presenciais de 2015, pois já estava previsto e acordado no cronograma inicial da PEC 197/12. Somados aos 20% do próximo ano formam 40% do total do ICMS destino em 2016”, explicou o secretário de Estado da Receita, Marialvo Laureano, que comemorou a promulgação da PEC no dia de ontem pelo Senado. Com a PEC promulgada, Marialvo revelou que a luta dos governadores da Região Nordeste, da bancada nordestina e do Confaz foi “uma notícia animadora para os Estados da Região até porque o país está passando por um ano difícil e a previsão de uma nova receita para a Paraíba é sempre bem vinda novos recursos servirão para ampliar as políticas públicas do Estado e melhoria dos serviços prestados à sociedade paraibana”, declarou.

Segundo o secretário, o consenso construído no ano passado no Confaz pelos secretários e acordado com a União para corrigir essa distorção tributária, que permitia o recolhimento de todo o ICMS apenas pelo Estado de origem sem partilhar o ICMS como o destino, chega ao fim com a promulgação da PEC.
 
A estimativa da Secretaria de Estado da Receita é de um recolhimento anual de cerca R$ 100 milhões de ICMS destino com as vendas não presenciais aos paraibanos (pela internet ou por telefone). “Como a partilha será de 40% o ICMS destino em 2016, o valor do repasse dessa receita do ICMS deverá ficar aproximadamente em R$ 50 milhões, pois as vendas do comércio eletrônico crescem entre 25% e 30% ao ano e tem sido um mercado promissor”, aponta o secretário Marialvo Laureano.
 
SEM PREJUÍZOS AO CONSUMIDOR: Marialvo Laureano esclareceu ainda que a PEC promulgada do comércio Eletrônico não irá causar prejuízos ao consumidor paraibano que compra pela internet, pois elimina a chamada bitributação do ICMS. “As pessoas vão comprar os produtos pelo mesmo preço. A única coisa que muda é a divisão entre do ICMS. Antes, 17% do imposto sobre a mercadoria ficava com o Estado de origem. Agora, 10% do imposto ficará com o Estado destinatário e 7% com o de origem”, informou o secretário.

FATURAMENTO DO E-COMMERCE: No ano passado, o comércio eletrônico brasileiro registrou um crescimento nominal de 24% na comparação anual, com faturamento acumulado de R$ 35,8 bilhões. De acordo com relatório WebShoppers, realizado pela E-Bit, o volume de pedidos feitos via internet chegou a 103,4 milhões, resultado 17% superior ao apresentado no ano anterior.  Para 2015, a E-bit prevê que as vendas pela internet terminem o ano com faturamento de R$ 43 bilhões, 20% maior do que o apresentado no ano passado.

 

 

Untitled Document

 

 

Relação de Notícias :

 


Fale conosco :
Jornalista responsável:
JEAN GREGORIO
  • TELEFONE: (83) 3218 4859
  • E-MAIL
  •